06 janeiro, 2016

Espaço WR: A esperança não me deixou desistir.

Espaço WR: A esperança não me deixou desistir.

Oi meninas, tudo bem?

No último post do Espaço WR, falei para vocês sobre a proposta incabível feita pelo meu médico. Lembram? Pois é, ele queria que eu passasse por um processo cirúrgico para a retirada dos ovários. Obviemente, eu não aceitei e considerei uma proposta "indecente" para ser feita a uma mulher com apenas 29 anos de idade e que seu maior sonho é ser mãe. Naquele momento parecia que estava vivendo um pesadelo e que não havia saida. Mas o que aconteceu depois? Nada e tudo. Nada porque decidi não procurar mais nenhum médico que podesse me fazer novamente aquela proposta absurda e tudo, por que foi apartir da atitude daquele médico que passei a pesquisar, a buscar ainda mais informações sobre o meu problema, que aliás, não é só meu, muitas mulheres passam por isso e talvéz ao procurar um médico, ele tenha feito a mesma proposta e por falta de informação ou conhecimento, tenha aceitado fazer a cirúrgia sem considerar outras possibilidades de tratamento. Foi apartir do pesadelo daquele momento que percebi que antes de um ato definito( que é o caso da cirúrgia) precisaria tentar algo que me oferecesse um resultado plausível, não é que a possibilidade de uma interveção cirúrgica deixasse de existir, mas, eu só aceitaria em último caso, se a minha vida tivesse em risco. E esse não era o caso. 

Foto:www.comshalom.org
Por isso, ela era a minha última opção, quando todas as possibilidades estivessem esgotadas , quanto todas as tentivas estivessem sido realizadas, quando a última chama da esperaça tivesse apagada, aí sim, eu, aceitaria a me submeter a um processo cirúrgico. E buscaria outra maneiras de ser mãe. Mas por enquanto, cirúrgia estava fora de corgitação.  

E aí. o que vocês fariam se estivessem em meu lugar?

Deixe seu comentário e compartilhe sua opinião.

Siga-nos nas redes sociais.
facebook.com/portaleconhecer
Instagram: @portaleconhecer
Twitter:@portaleconhecer

Enes bjosssssssssssss.

Por Noêmia Roberto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário